Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Desoneração dos combustíveis deve se refletir na bomba, mas efeito pode ser parcial
Publicado em 01/07/2022 às 16h03
Foto Notícia
Representantes do setor de revenda e distribuição de combustíveis no Brasil afirmam que a desoneração tributária prevista na Lei Complementar 194/2022 deve ser repassada para os consumidores, embora admitam que "decisões individuais" podem influenciar a dimensão do reflexo nos preços das bombas, assim como dependem de muitos Estados, que buscam manter o ICMS na Justiça.

A pesquisa semanal de preços a ser divulgada nesta sexta-feira pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis já deve mostrar parte dos efeitos, uma vez que a lei entrou em vigor no dia 23.

O PIS/Cofins e a Cide sobre a gasolina e o etanol foram zerados, mas poucos Estados aderiram ao teto de ICMS, de 17% ou 18%, estabelecido pela lei federal.

São Paulo e Goiás lideraram entre os que confirmaram reduções no ICMS, e possivelmente sejam os primeiros a sentir os efeitos da bomba. Eles foram seguidos por Espírito Santo, Rondônia, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Santa Catarina, estes últimos três com anúncios nesta sexta-feira.

"São reduções importantes, mas, de fato, é uma decisão individal de cada revendedor. Mas vai chegar à medida que as distribuidoras forem repassando. É um reflexo em cadeia", disse James Thorp, presidente da Fecombustíveis.

Outra fonte do setor disse à Reuters em condição de anonimato que é possível que postos se apropriem de parte da redução, embora não acredite que será a atitude da maioria.

Para a diretora de Downstream do Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP), Valéria Lima, essa apropriação não deve ocorrer porque os revendedores não vão querer se associar a uma imagem de aumento indevido.

"Todo mundo está muito preocupado com preços. É um assunto muito sensível. Um cenário inflacionário, isso mexe muito com a vida das pessoas e também com a das empresas", disse Lima.

Todos os representantes ouvidos pela Reuters avaliam que os reflexos só devem ser sentidos pelos consumidores entre três a cinco dias a partir das reduções.

"Claro que a forma de precificação dos combustíveis é livre. Mas o mercado deve se adaptar. Só que tem um período para isso, porque ainda existe o estoque antigo, com o preço velho", disse Carlo Faccio, diretor executivo do Instituto Combustível Legal.

Em relação aos 11 Estados e o Distrito Federal, que contestam a lei no Supremo Tribunal Federal, e aos demais Estados que ainda não se manifestaram, representantes do setor de revenda acreditam que a redução do ICMS só passará a valer quando eles publicarem as suas leis adequando-se à lei federal.
Reuters
Texto extraído do portal Notícias Agrícolas
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas