Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Diesel pode faltar no mercado interno brasileiro, diz FUP
Publicado em 27/05/2022 às 08h08
Foto Notícia
Segundo um alerta da Federação Única dos Petroleiros (FUP), o mercado interno brasileiro de diesel corre o risco de desabastecimento no início do segundo semestre deste ano, "em função da prevista escassez de oferta no mercado internacional e do baixo nível dos estoques mundiais".

Em nota publicada no site, a federação afirma que o Brasil importa atualmente cerca de 25% de suas necessidades de diesel no mercado interno, de acordo com a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP), devido à baixa utilização das refinarias brasileiras e a não conclusão de obras importantes no setor.

A FUP ainda cita que "a demanda brasileira pelo produto tende a aumentar a partir de junho/julho próximo com o aumento da safra agrícola, a maior circulação de caminhões e a esperada retomada do consumo no período pós pandemia da covid-19".

"A dependência pelo produto importado revela o equívoco da política do governo Bolsonaro, que não criou novas refinarias, reduziu investimentos no setor do refino e decidiu vender unidades da Petrobras", diz a FUP.

"Uma política de desmonte que, com base na política de preço de paridade de importação de combustíveis, contribuiu para a escalada da inflação, atualmente em 12% ao ano", afirma o coordenador-geral da FUP, Deyvid Bacelar, em nota.

Para Bacelar, o fornecimento de diesel "tornou-se tema de grave preocupação desde que as sanções contra a Rússia alteraram o comércio de combustível".

"A Índia está produzindo diesel com petróleo russo e exportando para a Ásia e Brasil. Porém, grande parte do diesel importado pelo Brasil, cerca de 80%, é fornecido pelos Estados Unidos, que estão mandando muito produto para a Europa. Há possibilidade real de faltar diesel no mercado brasileiro ou de o preço desse combustível explodir no país", ressalta Bacelar.

O governo, segundo o presidente da FUP, errou em não ter concluído o segundo trem da Refinaria Abreu Lima (Rnest/PE), especializada na produção de diesel.

"Errou também ao não investir no Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro), e ao não construir unidades de coqueamento em algumas refinarias do país --- como na refinaria da Bahia, privatizada no fim do ano passado --, que deveriam estar produzindo diesel ao invés de óleos combustíveis", continua Bacelar.

O alerta foi feito na terça-feira (24), quando aconteceu mais uma troca no comando da Petrobras.

No dia, José Mauro Ferreira Coelho foi demitido da presidência da estatal, apenas 40 dias após sua posse, e Caio de Andrade foi indicado para substituí-lo. Ambos os fatos reforçam a avaliação de que o presidente Jair Bolsonaro pretende forçar uma mudança na atual política de preços da Petrobras, que acompanha a variação do petróleo no mercado internacional.
Reuters
Texto extraído do portal Money Times
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas