Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Raízen quer entrar nos negócios de biocombustíveis para aviões e navios
Executivo diz que empresa está construindo os primeiros passos nos segmentos, para "chegarmos lá em alguns anos"
Publicado em 26/05/2022 às 09h20
Foto Notícia
De olho nas metas de descarbonização no mercado global, a Raízen -- joint venture entre a Cosan e a Shell -- vê o combustível sustentável de aviação (SAF, na sigla em inglês) e os biocombustíveis para navios (biobunker) como novas oportunidades de negócios para a companhia.

"Estamos de olho nos novos mercados que aparecem como grandes potenciais adicionais para o etanol no mudo. Combustível de aviação e o biobunker", afirmou o vice-presidente de trading da Raízen, Paulo Neves, durante evento promovido pela empresa nesta quarta-feira, 25.

Segundo o executivo, as políticas de redução de emissões de carbono que vêm sendo implementadas em países da Europa, Ásia e América do Norte -- para alcance das metas do Acordo de Paris -- já garantiriam a demanda pelos produtos renováveis.

"Do ponto de vista dos clientes, da demanda, não temos dificuldade de encontrar clientes interessados nessa solução", disse Neves.

A Associação Internacional de Transportes Aéreos (Iata, em inglês) estima um salto na demanda global por SAF nos próximos anos, de 100 milhões de litros em 2021 para 5 bilhões de litros em 2025. Até 2050, 60% do biocombustível de aviação produzido na Europa deve vir de fontes renováveis.

Já o transporte marítimo, que responde por cerca de 3% das emissões de gases de efeito estufa (GEE), deverá reduzir suas emissões pela metade até 2050, segundo o compromisso da Organização Marítima Internacional (IMO, na sigla em inglês).

A Raízen confia no poder de sua escala de produção de biocombustíveis e na parceria com a Shell, companhia global, para se posicionar na disputa pelo mercado internacional.

Além do Brasil, a empresa atua na produção de etanol no Paraguai e Argentina. Segundo o CEO da Raízen Argentina, Teófilo Lacroze, a empresa espera realizar investimentos estratégicos para desenvolver novos produtos na América Latina.

"Quando a gente pensa em SAF, biobunker, diesel verde, são todos produtos em que estamos construindo os primeiros passos para chegarmos lá em alguns anos", pontuou Lacroze.

Etanol de segunda geração e biogás são as apostas

A estratégia de crescimento da Raízen no setor de biocombustíveis, nos próximos anos, está focada na produção de etanol celulósico, ou etanol de segunda geração (E2G), e biogás.

Até 2031, a Raízen pretende colocar em operação 39 módulos de produção de biogás em suas usinas de etanol, e mais 20 plantas de etanol celulósico.

Por enquanto, estão em construção três novas plantas de etanol de segunda geração e uma planta de biometano, que atenderá a Yara e a Volkswagen.

A ideia é que a partir do E2G sejam produzidos o biobunker e o SAF. Já para o biogás produzido a partir dos resíduos da cana, a companhia enxerga na injeção do gás renovável nos gasodutos das distribuidoras de gás canalizado o seu melhor uso.

"O pior uso do biogás, em termos de preço, é eletricidade. O uso mais nobre é substituir o diesel na nossa própria frota. O segundo melhor uso é injetar na rede", avaliou o CEO da Raízen, Ricardo Mussa. "Temos oito a dez unidades nossas próximas às redes da Comgás e Gasbrasiliano para fazer conexão. Vamos ter uma boa parte do gás vendido, injetado na rede", completou.
Fonte: Epbr
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas