Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Mudança do clima tornou ondas de calor na Índia e no Paquistão 30 vezes mais prováveis
Publicado em 26/05/2022 às 17h51
Foto Notícia
Uma análise feita por cientistas do grupo World Weather Attribution (WWA) mostrou que o calor extremo que atinge boa parte da Índia e do Paquistão nas últimas semanas tornou-se 30 vezes mais provável por causa das mudanças climáticas. Desde março, a porção ocidental do subcontinente indiano, no sul da Ásia, sofre com temperaturas muito acima da média histórica, o que vem desencadeando problemas de abastecimento de água e energia, além do derretimento de geleiras glaciais na região do Himalaia, causando o colapso de reservatório e a inundação de aldeias.

De acordo com a análise, um evento da mesma natureza em condições pré-industriais teria sido cerca de 1ºC mais frio em comparação com o que se experimenta atualmente na Índia e no Paquistão. Além disso, projeções de aquecimento futuro indicam que ondas de calor podem se tornar ainda mais frequentes nas próximas décadas se o planeta continuar em uma trajetória de aquecimento acima dos 2ºC em relação aos níveis pré-industriais até o final deste século.

"É importante notar que esta onda de calor precoce foi acompanhada por chuvas e umidade muito abaixo da média e, portanto, constituiu uma onda de calor seca, tornando a umidade muito menos importante para os impactos na saúde do que as ondas de calor que ocorrem no final da temporada e nas áreas costeiras", destacou o estudo. Os autores também alertaram para a necessidade de se avançar com medidas de adaptação em um cenário no qual eventos desse tipo se tornem mais frequentes, o que é crônico em países extremamente desiguais, como é o caso de Índia e Paquistão. "Mitigar ainda mais o aquecimento é essencial para evitar a perda de vidas e meios de subsistência".

Em tempo: Ainda sobre clima extremo, a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) dos Estados Unidos projetou que a temporada 2022 de tempestades tropicais no Atlântico será a 7ª seguida, com eventos acima da média histórica. Segundo a NOAA, existe 65% de chance de uma temporada acima do normal, com um total de tempestades nomeadas de 14 a 21, dos quais seis a dez podem se tornar furacões, incluindo três a seis de grande porte (categorias 3, 4 e 5). Reuters, Wall Street Journal e Washington Post repercutiram a informação.
Fonte: ClimaInfo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas