Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Etanol deve ser mais rentável que açúcar em 2022/23, diz Pecege
Publicado em 21/01/2022 às 10h27
A consultoria Pecege, sediada em Piracicaba (SP), estima que os preços do etanol devem continuar subindo na próxima safra do Centro-Sul (2022/23), amparados no cenário que indica aumento de cotações no mercado de combustíveis. Com isso, diz a empresa, o etanol anidro (aditivo da gasolina) deve oferecer uma remuneração melhor do que o açúcar no próximo ciclo.

A perspectiva da casa de análise é de que o preço médio do etanol anidro, que já atingiu patamares recorde na safra atual, deve subir mais 8,7%, passando de R$ 3,67 o litro na safra atual, em média, para R$ 3,99 o litro na próxima.

O etanol hidratado, que abastece diretamente os tanques, também deve subir, alcançando média de R$ 3,43 o litro no próximo ciclo, valor 5,9% superior ao preço médio esperado para a safra atual (R$ 3,24 o litro). O cenário de alta para o mercado do biocombustível, diz a consultoria, está assentado na perspectiva de aumento das cotações do petróleo, que ganharam impulso nas últimas sessões.

Para o mercado do açúcar, a perspectiva do Pecege é de que os preços do açúcar subirão mais no mercado interno, enquanto os valores do produto destinado à exportação devem se manter estáveis. A projeção é de que o preço médio do açúcar cristal subirá 14,5% no país, passando de R$ 121,69 a saca de 50 quilos na safra atual para R$ 139,29 a saca na próxima temporada. Para exportação, a expectativa é que o preço de embarque do açúcar VHP fique em R$ 101,86 a saca de 50 quilos, pouco acima dos R$ 101,82 a saca deste ciclo.

A projeção considera um cenário de queda dos preços internacionais do açúcar demerara na bolsa de Nova York para valores abaixo de 18 centavos de dólar a libra-peso ao menos até janeiro de 2023. Nas últimas semanas, as cotações já vêm em queda e acumulam retração de quase 4% desde o fim do ano passado.

"Entre os fatores determinantes para o recuo de preços neste mercado, podemos citar as boas perspectivas para a produção do adoçante no Brasil, Índia e Tailândia, garantindo uma boa oferta do produto durante o primeiro semestre de 2022", indicou o Pecege, em relatório.

No momento, o açúcar VHP oferece um prêmio em relação ao etanol, mas a consultoria estima que, com os preços projetados, essa relação vai se inverter a partir de abril e se aprofundará a partir de julho.

Com base nos preços previstos, o Pecege estima que a remuneração aos fornecedores de cana, ponderada pelos valores de açúcar e etanol, subirá 5% em relação à safra atual --- próximo da inflação esperada para o período ---, para R$ 1,287 o quilo do Açúcar Total Recuperável (ATR).

Caso a previsão se confirme, será uma desaceleração após a forte alta do custo da matéria-prima nesta safra, que deve subir 57% em comparação com a safra passada, para R$ 1,2254 o quilo do ATR, acredita a consultoria. Esse é o maior valor real em dez anos.
Fonte: Valor Econômico
Texto extraído do boletim SCA
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas