Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Ministro do Meio Ambiente defende "globalização" do etanol
Publicado em 22/10/2021 às 17h40
Foto Notícia
Em evento promovido quarta-feira pelo Valor, o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, disse que vai propor na COP26, que começa no dia 31 em Glasgow, na Escócia, "mais ambição financeira para fomentar programas como o do etanol brasileiro". Ele defendeu o uso do biocombustível em larga escala como forma de reduzir as emissões de carbono e o carro a etanol como alternativa ao elétrico.

Segundo Leite, é preciso olhar o carro elétrico de uma forma ampla, com uma percepção global, para perceber que a infraestrutura necessária para viabilizá-lo ainda é muito frágil. "Não temos cidades com tomada em todos os quarteirões do mundo, nem no Brasil", disse. Para ele, o etanol é uma solução de "emprego verde" para o Brasil e para países com mão de obra menos qualificada, como os africanos.

Ainda no evento, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, destacou que o Brasil terá a oportunidade de posicionar o etanol como alternativa de mobilidade sustentável durante a COP26. Ela disse que não é possível ignorar o advento dos carros elétricos, mas que o país não pode perder a oportunidade de expandir e exportar o uso do biocombustível -- "uma tecnologia mais limpa, mais barata e mais conveniente" -- para o mundo.

Segundo ela, o Brasil precisa de mais parceiros no segmento. Como a Índia, que vem implantando um programa de produção de etanol. Cristina disse que o presidente colombiano Ivan Duque Márquez, em visita ao Brasil nesta semana, demonstrou entusiasmo em aumentar o plantio de cana-de-açúcar em seu país para a produção de biocombustíveis.

Segundo o CEO da Volkswagen para a América Latina, Pablo Di Si, o etanol é uma "coisa brasileira que precisamos exportar para o mundo". Ele destacou os planos da empresa na Europa de eliminar os motores a combustão e migrar para o sistema elétrico até 2030, mas acrescentou que a realidade é diferente em outras partes do mundo, o que abre uma oportunidade para explorar biocombustíveis.

A Volkswagen quer transformar o Brasil em um centro de pesquisa e desenvolvimento de biocombustíveis. "O Brasil está em um momento chave para a formulação de uma política pública com vistas aos próximos 20 anos e para a transformação do etanol em célula a combustível", destacou.

"O etanol tem muito a oferecer ao mundo como sociedade e precisamos cada vez mais comunicar o entendimento do etanol na cadeia como um todo. Olhando do posto para a roda, o consumo total de CO2, independente de como sai do escapamento ", acrescentou Di Si.

"O etanol pode revolucionar uma série de países africanos e asiáticos que já mapeamos. Não se trata de exportar etanol para lá. Significa levar o know-how, a tecnologia, a nossa capacidade de políticas públicas ultra-inteligentes que o Brasil aprendeu a desenvolver nesse sentido ", disse o presidente da Associação da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica), Evandro Gussi. "Nosso inimigo não é a tecnologia ´A´ ou ´B´, mas o carbono. É o que temos que evitar e só o faremos tomando as várias soluções ", acrescentou.

"O etanol pode revolucionar uma série de países africanos e asiáticos que já mapeamos. Não se trata de exportar etanol para eles. Significa levar o know-how, a tecnologia, a nossa capacidade de políticas públicas ultra-inteligentes que o Brasil aprendeu a desenvolver nesse sentido ", disse o presidente da Associação da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica) Evandro Gussi. "Nosso inimigo não é a tecnologia ´A´ ou ´B´, mas o carbono. É o que temos que evitar e só o faremos tomando as várias soluções ", acrescentou.

Segundo a Unica, a introdução dos carros flex no Brasil e o maior uso do etanol desde 2003 já evitaram a emissão de 500 milhões de toneladas de CO2 equivalente na atmosfera. O Sr. Gussi afirmou que o país faz o seu dever de casa na área ambiental e que poderá mostrar isso em Glasgow. Ele ponderou que o plantio da cana-de-açúcar é feito longe da região amazônica e que o setor sucroenergético é o que mais planta árvores no país.

A história de sucesso do etanol deve ser amplamente explorada na COP26 pelo governo e pelo setor produtivo. "Não temos um plugue de energia em uma árvore na Amazônia para carregar um veículo elétrico, mas você provavelmente terá acesso a um posto de gasolina que já tem etanol, que carregará a bateria do seu veículo híbrido como o etanol", disse o Sr. Leite. "O uso do etanol em escala global, indo para a África e Ásia, não só como mercado de venda de etanol, mas como um dos países que participam do Acordo do Clima e querem contribuir para encontrar uma solução global", acrescentou. .

Cristina, por sua vez, defendeu a produção de etanol de milho, para geração de subprodutos aproveitáveis ??na pecuária, a conversão de pastagens degradadas em cana-de-açúcar para geração de biocombustíveis e incentivos ao biogás e biometano. "Precisamos de uma política sólida, baseada na visão estratégica do potencial do Brasil e na perspectiva de desenvolvimento do cenário global", afirmou. "É um processo em que todos ganham, mas temos que trabalhar mais duro. No Brasil, embora nossas emissões sejam muito baixas, temos muito a contribuir com o mundo na redução das emissões por meio da tecnologia ".
Miquéias Santos
Fonte: O Petróleo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas