Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Milho: governo irá publicar decreto com isenção de impostos para importação, diz FPA
A informação é do vice-presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) Evair de Melo, que se reuniu com membros do Ministério da Economia
Publicado em 17/09/2021 às 10h10
Foto Notícia
A isenção de PIS e Cofins para importação de milho será publicada em decreto pelo Governo Federal. A informação é do deputado e vice-presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) Evair de Melo (PP-ES). Nesta quinta-feira, 16, a FPA esteve reunida com a equipe do Ministério da Economia para tratar dos benefícios fiscais ao cereal.

A sinalização de que o setor de produção de proteína animal sofreria com a falta de milho foi feita pelo próprio deputado Evair de Mello, ainda no mês de agosto. Segundo o parlamentar, "muitas regiões do Brasil sofreram com as intempéries climáticas, o que tem gerado desequilíbrio na produção".

O deputado explica que com a redução da alíquota sobre a importação do grão, "o setor agropecuário poderá seguir produzindo e o país poderá continuar trabalhando, sem a escassez de milho e consequentemente sem o desabastecimento de proteína animal".

A FPA ressalta a importância do cereal na indústria, dizendo que o milho é um alimento com alto potencial energético devido ao seu importante teor de amido. Além disso, o grão é utilizado na alimentação animal, principalmente na avicultura e suinocultura, sendo também consumido pela indústria para diversos fins.

Seu uso industrial não se restringe a alimentos, o milho é largamente utilizado na produção de elementos espessantes e colantes, na produção de óleos, papel, remédios, roupas, tintas, aplicado em mais de 150 diferentes produtos.
Fonte: Canal Rural
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas