Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Governo aumenta volume de bioeletricidade ofertada à rede
Publicado em 26/07/2021 às 11h03
O Ministério de Minas e Energia (MME) publicou, no Diário Oficial desta sexta (23), a portaria que possibilita que o setor sucroenergético disponibilize mais bioeletricidade ao Sistema Interligado Nacional (SIN) até o fim de 2022. O volume pode chegar a 4,6 mil GWh, suficiente para abastecer mais de 2,4 milhões de residências, e ajuda a equilibrar o fornecimento de energia elétrica aos brasileiros em meio à crise hídrica que o país enfrenta.

Em abril, a pedido do MME, a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) e a Associação da Indústria de Cogeração de Energia (Cogen) apresentaram levantamento apontando que centrais movidas a biomassa principalmente de bagaço de cana poderiam melhorar o cenário de atual, ofertando energia adicional entre agosto de 2021 e dezembro de 2022 com medidas de incentivo do governo, como uma contratação emergencial para compra da produção extra.

Com a edição da portaria estabelecem-se as diretrizes para a Oferta Adicional de Geração de Energia Elétrica Proveniente de Usina Termelétrica -- UTE à biomassa para atendimento ao Sistema Interligado Nacional, o que poderá estimular essa geração estimada inicialmente.

O gerente de Bioeletricidade da UNICA, Zilmar Souza, destaca que este é um mecanismo inovador e ajudará a viabilizar geração extra renovável até o fim desta safra e, sobretudo, planejar excedentes para a safra do ano que vem. "A regulamentação acaba reconhecendo que a biomassa funciona como um seguro, com uma geração não intermitente para o setor elétrico brasileiro e deve ser incentivada para ganhar escala e evitar o stop and go que vimos no desenvolvimento dessa fonte renovável nos últimos anos", avalia.

Luz para milhares de brasileiros

Esses 4,6 mil GWh da bioeletricidade sucroenergética a serem ofertados à rede, até dezembro de 2022, poderão representar o equivalente a:

1% do consumo anual de energia elétrica ou a atender 2,4 milhões de residências.

Reduzir as emissões de CO2 estimadas em 1,3 milhão de toneladas, marca que somente seria atingida com o cultivo de 9 milhões de árvores nativas ao longo de 20 anos.

6% da geração de energia elétrica pela Usina Itaipu em 2020, 11% da geração pela Usina Belo Monte em plena operação e 8% de toda a geração hidrelétrica no estado de São Paulo em 2020.
Fonte: UNICA
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas