Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Açúcar "acabado" para exportação, de valor agregado, deverá ter menor participação ainda
Publicado em 16/09/2021 às 16h48
Foto Notícia
Apesar de ser o maior produtor mundial da commodity, possuir um grande mercado consumidor, e, portanto, uma indústria de porte, a participação nas exportações do açúcar branco é relativamente pequena.

Esse é o adoçante que conhecemos e consumimos refinado ou parcialmente refinado (cristal).

O Brasil não investiu em exportar valor agregado e se fixou na commodity bruta, concentrada em VHP (very high polarization), embarcada nos porões dos navios e que movimenta os grandes volumes nas transações globais.

Com os grandes compradores mundiais de fora desse nicho de negócio -- cotado na bolsa de Londres (ICE Europe) -, os embarques brasileiros do produto, carregado em contêineres, praticamente chegam apenas a países mais pobres, que não construíram uma indústria de refino, e com evidentes limitações de compras.

Apesar de ser o maior produtor mundial da commodity, possuir um grande mercado consumidor, e, portanto, uma indústria de porte, a participação nas exportações do açúcar branco é relativamente pequena.

Esse é o adoçante que conhecemos e consumimos refinado ou parcialmente refinado (cristal).

O Brasil não investiu em exportar valor agregado e se fixou na commodity bruta, concentrada em VHP (very high polarization), embarcada nos porões dos navios e que movimenta os grandes volumes nas transações globais.

Com os grandes compradores mundiais de fora desse nicho de negócio -- cotado na bolsa de Londres (ICE Europe) -, os embarques brasileiros do produto, carregado em contêineres, praticamente chegam apenas a países mais pobres, que não construíram uma indústria de refino, e com evidentes limitações de compras.

Em 2020, praticamente englobando a safra 20/21, foram exportados em torno de 4 milhões de toneladas, frente ao volume de 27 milhões/t do açúcar bruto, aproveitando-se também de um momento geral de alta da totalidade de açúcares. A receita foi de US$ 1,36 bilhão, de acordo com dados compilados pela Unica junto aos órgãos oficiais.

Para 2021, e garantindo dentro da safra 21/22, que acabará mais cedo, as vendas externas devem sofrer algum recuo, ante os prejuízos que a quebra excepcional da cana no Centro-Sul distribuirá no mix produtivo.

Além disso, o açúcar bruto, cotado em Nova York, viveu períodos de máximas este ano.

No acumulado do ano, o volume de açúcar branco destinado ao mundo chegou a 2,3 milhões de toneladas, seguindo gráficos disponibilizados no site da Unica.
Giovanni Lorenzon
Fonte: Money Times
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas