Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Entendendo a pesquisa salarial
Será que a pesquisa salarial é uma solução ou mais um problema?
Publicado em 09/09/2021 às 09h48
Foto Notícia
Um amigo meu que tem 3 filhos, e todos com personalidades e comportamentos muito diferentes, me confessou em tom de queixa: "- Não sei o que acontece, criei os três igualmente, com a mesma atenção, mas cada um saiu diferente do outro".

Respondi-lhe que cada um é uma individualidade e tinham suas necessidades diferentes, de forma que, se ele tratou todos da mesma maneira, com certeza para um pode ter excedido, enquanto que para outro pode ter faltado atenção.

Analogamente ocorre com as empresas, é comum se ouvir falar através das direções que: "- Na minha empresa quero que todos os funcionários estejam na média ou no 3º Quartil" (que é um valor acima da média do mercado).

Falam isso como se a média ou 3º Quartil fosse um número absoluto, e uma solução que comprovará a eficácia de sua política de salários.

Puro engano!

Pesquisa salarial é como o caso do indivíduo que teve a cabeça colocada no freezer e os pés no forno, a temperatura do umbigo estava na média, mas o indivíduo morreu.

Quem trabalha com pesquisas salariais sabe muito bem que as variáveis que compõem uma pesquisa são tantas e se não forem muito bem ponderadas, poderão dar uma distorção nos resultados, que ao invés de ajudar irá só atrapalhar.

Vejamos alguns exemplos que podem causar essas distorções:

A pesquisa é um conjunto de números, que oscilam demasiadamente;

Nem todas as empresas que participam são as que mais interessam, às vezes conforme o caso, as que mais interessam não participam;

Os números que se obtém nas tabulações são fabricados estatisticamente, eles mesmos não existem como salários reais;

A correlação da importância do cargo que se tem na empresa, com o pesquisado, em geral é sempre diferente;

O equilíbrio interno que o cargo está situado, em relação ao das outras empresas nunca é igual, e daí por diante.

De maneira que, se não se souber usar a pesquisa, analítica e ponderadamente, poderá cometer um grande equívoco administrativo, e apesar das boas intenções, haverá o risco de formalizar um desajuste nas estruturas salariais, e criar um descontentamento e desmotivação entre os profissionais da empresa; e tal qual o pai das crianças citado acima, se estará cometendo um erro, porém com a consciência tranquila de se estar fazendo o melhor possível.


Até a próxima e muita paz!


Renato Fazzolari
Diretor Geral - AGRHO Recursos Humanos, Psicólogo Organizacional, Terapeuta Transpessoal, Professor Universitário (PUC) e Palestrante.
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Últimos Artigos
Foto Articulista
RENATO FAZZOLARI
O bumerangue em sua vida
Publicado em 25/10/2021
Foto Articulista
JACYR COSTA FILHO
Eletrificação: desafio global para a indústria automotiva
Publicado em 22/10/2021
Foto Articulista
MARCOS FAVA NEVES
Safra Chegando ao Final
Publicado em 19/10/2021
Foto Articulista
RENATO FAZZOLARI
Cabo de guerra X Arrastão
Publicado em 14/10/2021
Foto Articulista
RENATO FAZZOLARI
Cuidados que se deve ter nas comunicações
Publicado em 04/10/2021