Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Açúcar se mantém valorizado no mercado físico
Padrão de ganhos acima de 45% no ano seguem observados durante junho no mercado físico brasileiro para o cristal 150 Icumsa
Publicado em 12/07/2021 às 14h46
Foto Notícia
Risco climático com secas sobre as regiões produtoras de cana do Centro-Sul e Centro-Oeste do país continuam como vetor de suporte aos ganhos do cristal; Risco de geadas no fim de junho reforçam novos avanços para a média de curto prazo em julho. O mercado de açúcar teve um mês de junho com novos ganhos para a média de negociação do cristal com até 150 Icumsa no mercado interno brasileiro. Pelo segundo mês consecutivo os ganhos anuais, já deflacionados, superam o nível dos 45%, se sobrepondo a um padrão de alta de 30% no ano observado sobre os primeiros quatro meses de 2021. Parte destes ganhos é sim um carregamento estatístico frente as quedas observadas no ano anterior quando surgiu a crise da pandemia. Porém, já em 2021, somado a este vetor, temos a seca que abate os canaviais do Centro-Sul e Centro-Oeste do Brasil desde o início da segunda quinzena de fevereiro.

quebra na safra de cana contrapõe cada vez mais o cristal 150 Icumsa com os demais derivados, como o açúcar VHP e o etanol hidratado, primeira e segunda opção das usinas na destinação da cana. Recentemente o etanol anidro tem ganhado mais força na fabricação, movimento que ocorre devido aos avanços na demanda da gasolina. Já na transição de junho para julho o Centro-Sul ainda enfrentou a entrada de uma massa de ar polar pelo sul do país, a qual deve trazer novos impactos negativos sobre os canaviais da região entre o norte do PR e sul de SP. Mais uma vez, pelo vetor do clima, forma-se um suporte para novas valorizações nos preços dos derivados, entre eles o cristal com até 150 Icumsa, o qual deve ter uma média ao fim de julho na faixa dos R$ 118,00 a saca de 50 kg.

Neste contexto, analisando o comparativo histórico com dados já deflacionados, observamos que, em junho, o preço médio de negociação da saca de 50 kg de açúcar com até 150 Icumsa com base em Ribeirão Preto fora de R$ 116,33. Em comparação com o mesmo mês do ano anterior houve uma alta de 45,31% frente a média de R$ 80,06 a saca, já deflacionada. Apesar dos ganhos anuais fortes, na margem houve uma valorização na faixa de 1,21%, quando comparamos com a média de negociação de R$ 114,95 observada em maio de 2021. Ampliando a ótica de análise, vemos que o preço médio de junho deste ano se mostra 42,58% acima da média de preço para este período durante os últimos cinco anos, já deflacionada, que atualmente oscila ao redor de R$ 81,59.

No mês anterior os preços correntes haviam se mostrado 39,42% acima da média dos últimos cinco anos para o período que, até então, oscilava em R$ 82,45. Com isso, a média de preço dos últimos cinco anos entre maio e junho apresentou uma desvalorização de 1,04%, contrastando fortemente com o avanço observado na margem onde os preços correntes apresentaram uma alta de 1,21%. Com isto podemos interpretar que houve um distanciamento positivo da linha de preço em comparação com a média histórica praticados em junho embora a média histórica também tenha avançado no curto prazo.

Para o mês de junho a expectativa da SAFRAS & Mercado era de preços ao redor de R$ 118,00, que se posicionou 1,43% acima da média de preços efetiva do período em R$ 116,33. Já para o mês de julho a expectativa da SAFRAS & Mercado é de preços médios ao redor de R$ 118,00, que deve significar uma alta anual de 46%, um avanço na margem de 1,43% junto a um posicionamento 44% acima da média de preços dos últimos cinco anos para o mesmo período.


Mauricio Muruci
Analista pela Safras & Mercado, atua há 12 anos em análise econômica e de mercados agrícolas. Graduando em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Últimos Artigos
Foto Articulista
RENATO FAZZOLARI
Entendendo a pesquisa salarial
09/09/2021
Foto Articulista
RENATO FAZZOLARI
O bom ambiente de trabalho
30/08/2021
Foto Articulista
MARCOS FAVA NEVES
Apenas 530 Milhões de Toneladas?
17/08/2021