Sábado, 17 de novembro de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Diversas Aumentar a letra    Diminuir a letra
"Questão do frete não pode esperar janeiro"  

09/11/2018 - A futura ministra da Agricultura, Tereza Cristina, quer trazer tranquilidade para o comércio exterior e conversar com os principais parceiros do agronegócio brasileiro como China e Argentina. Em entrevista ao Estadão/Broadcast, a presidente da Frente Parlamentar Agropecuária voltou a defender o Projeto de Lei 6.299, que flexibiliza as regras para fiscalização e aplicação de agrotóxicos no País e disse que a matéria deve trazer mais transparência e tecnologia para o setor. A ruralista disse que pretende se reunir com o atual gestor da pasta, Blairo Maggi, para dar início ao processo de transição. A seguir, os principais pontos da entrevista.


Como a senhora avalia a gestão de Blairo Maggi?

Acho um ótimo ministro. Ele trabalhou muito para fazer uma abertura de mercado para o Brasil. Trabalhou na área de política agrícola e brigou pelo seguro agrícola. Não conseguiu ainda ter um modelo dos sonhos dos agricultores, mas conseguiu recursos expressivos do Tesouro para financiamento da safra. Quero entender onde estão os gargalos, onde ele acha que precisa atuar.


O agronegócio brasileiro sofreu uma série de contratempos nos últimos anos, como a operação Carne Fraca, que arranhou a imagem do setor no exterior. Como a senhora pretende lidar com isso na sua gestão?

Precisamos trabalhar isso talvez modernizando essa área (sanidade) no ministério, fazendo outras missões no Brasil e mostrando que o País tem uma sanidade de boa qualidade, que podemos responder pelos protocolos que assinamos.


Um dos grandes gargalos no agronegócio é a questão logística. Como avançar na questão, para reduzir o custo Brasil?

Quando começamos um governo como o do presidente Jair Bolsonaro, que é liberal e quer receber investidores de fora e garantir a segurança jurídica, tenho certeza de que os investimentos chegarão. A agricultura brasileira tão pujante como é hoje precisa de um plano de logística o mais rápido possível. Ferrovias, hidrovias e rodovias precisam participar do plano de transportes do governo federal.

E a questão do tabelamento do frete que está no Supremo Tribunal Federal? Tem sido um ônus que as empresas do agronegócio não querem carregar. E, ao mesmo tempo, como não descontentar os caminhoneiros?

Precisamos tratar esse assunto desde já, não dá para deixar para 1.º de janeiro. Está na pauta de prioridades para ser debatida na Frente Parlamentar Agropecuária e com o novo governo. Precisamos achar uma solução e fazer reuniões com caminhoneiros e empresas.


O comércio exterior é um ponto que tem gerado incertezas. Os chineses, a Argentina e os países árabes estão preocupados, e são importantes parceiros comerciais do Brasil. Como reagir?

O diálogo é fundamental. O presidente tem que dizer claramente qual é a política internacional que ele quer adotar. Em relação à Argentina, ele pediu uma audiência comigo na semana que vem. Com a China, o presidente eleito esteve com o embaixador na semana passada, no Rio, e espero ter a oportunidade de tocar no assunto. Vou conversar com o ministro Maggi, que acaba de chegar de uma missão da Ásia. Vamos dar tranquilidade aos exportadores e aos importadores.


Os agricultores querem agilidade na liberação de agrotóxicos. Mas e o Meio Ambiente?

Isso se resolve com a modernização da lei, a existente tem 30 anos. A nova lei traz mais governança, transparência e um período de tempo para analisar novos registros. São três órgãos que analisam se o produto pode ser utilizado ou não: Meio Ambiente, Agricultura e Anvisa. Se esses processos caminharem juntos e com um prazo, você vai conseguir trazer moléculas mais modernas para o País, com tecnologia, mais seguras do que as usadas atualmente. A lei (Projeto 6.299) é importante. Fizeram palanque eleitoral em cima dela e colocarem a população contra. Terei todo interesse em fazer que essa lei seja aprovada no ano que vem.

O Brasil precisa desmatar mais terras para produzir mais?

Temos avanços tecnológicos que podem aumentar a produtividade. Ninguém tem um Código Florestal como o Brasil tem. Em relação à Amazônia, existem mecanismos para usarmos a biodiversidade e gerar renda para as pessoas, sem desmatar. Em que País do mundo você compra 10 hectares e só pode usar 8, 5 ou 2? Alguém tem de criar alguma coisa para que os produtores, até para preservar, tenham algum ganho. Agora, a Amazônia temos de preservar. Sabemos da função da nossa floresta.

Camila Turtelli
Fonte: O Estado de S. Paulo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
14/11/18 - Umidade no solo favorece o avanço do plantio
  - Plantio da safra de milho no PR alcança 98% da área
  - Plantio da safra de soja no PR atinge 88% da área
  - Argentina: por conta das chuvas, 60% dos plantios da Zona Núcleo estão em cenário de incerteza
  - Comercialização de milho em MT atinge 88% da safra 2017/18 e 33% da 2018/19
  - Exportação de produtos agrícolas bate recorde no Porto de Paranaguá
  - Cosan quer simplificar estrutura para ser controladora direta da Rumo
13/11/18 - Bolsonaro diz que melhor é que não haja tabelamento de frete e que assunto está sendo estudado
  - Porto de Paranaguá já supera exportação anual de soja, farelo, trigo e óleo vegetal
  - Movimentação de grãos em Paranaguá até outubro supera volume de 2017
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
"Questão do frete não pode esperar janeiro"
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário UDOP de Inovação
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/