UDOP - União Nacional da Bioenergia

FALTAM APENAS

DIAS

HORAS

MINUTOS

SEGUNDOS

PARA O EVENTO MAIS INOVADOR DO SETOR

FALTAM APENAS

DIAS

HORAS

MINUTOS

SEGUNDOS

PARA O EVENTO MAIS INOVADOR DO SETOR

EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Fórum de Articulistas Aumentar a letra    Diminuir a letra
A biomassa de cana quebra paradigmas  

15/10/2018 - O professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (Cbie), escreveu neste jornal, em 14 de julho, um excelente artigo intitulado A solução 3D para o setor de energia. Mencionou, então, que a disseminação do uso da energia solar quebrará paradigmas quanto aos papéis de produtores e consumidores, sendo uma solução de geração distribuída "3D", em linha com a necessidade de descarbonizar, descentralizar e digitalizar o sistema elétrico nacional.

São grandes os desafios para a difusão da energia solar no Brasil, entre eles o avanço na regulamentação para o incentivo à figura do prosumer, termo originado do inglês da junção de producer (produtor) e consumer (consumidor). Neste item, vale lembrar o pioneirismo que a cana-de-açúcar tem no segmento elétrico com o desenvolvimento de unidades autossuficientes em energia, compartilhando grandes excedentes de geração para a rede há mais de 30 anos.

Em 1987, a Usina São Francisco, em Sertãozinho (SP), foi a primeira a exportar eletricidade de uma fonte 100% renovável (bagaço da cana) para a Companhia Paulista de Força e Luz, e foi seguida pela Usina São Martinho, em Pradópolis (SP), e pela Vale do Rosário, em Morro Agudo (SP).

À época, os desafios foram enormes. Os esforços dos agentes públicos e o pioneirismo dessas três usinas obtiveram êxito e abriram caminhos para um produto hoje protagonista na matriz elétrica brasileira. Atualmente, são mais de 200 usinas produzindo excedentes de bioeletricidade da cana, ofertando 21,4 terawatt-hora (TWh) para a rede em 2017.

A bioeletricidade está aderente com a solução 3D mencionada pelo professor Adriano Pires. Vejamos:


Descarbonização

Os 21,4 TWh de bioeletricidade ofertados pela cana em 2017 evitaram a emissão de 7,5 milhões de tCO2, marca que, em ordem de grandeza, somente seria atingida com o cultivo e manutenção, por 20 anos, de 53 milhões de árvores nativas.


Descentralização

89% da geração pela biomassa para a rede em 2017 esteve concentrada em apenas cinco Estados do País: São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais e Paraná, na região Centro-Sul, que concentra submercados responsáveis por 75,5% do consumo. Ou seja, investir na geração da biomassa é garantir a expansão da geração descentralizada, distribuída e próxima aos grandes centros consumidores do País.


Digitalização

A experiência trazida pela bioeletricidade acelerou a discussão sobre o desenvolvimento de redes inteligentes de distribuição de energia, que são capazes de receber grandes excedentes das usinas sucroenergéticas.

Além disso, a bioeletricidade não é considerada uma fonte intermitente. No estrito senso do conceito de recurso energético e pela sua maior previsibilidade/confiabilidade, é uma fonte sazonal, assim como a hidrelétrica. Isso significa que aproveitar o potencial da bioeletricidade ajudará, também, na expansão de fontes intermitentes, como as energias solar e eólica, coirmãs da bioeletricidade em termos de sustentabilidade para o sistema elétrico brasileiro.

Atualmente, o potencial técnico da bioeletricidade sucroenergética para a rede é aproveitado em somente 15% de seu total. Em 2017, essa fonte poderia ter gerado sete vezes mais em comparação ao que foi gerado ou algo como quase quatro Usinas Hidrelétricas de Belo Monte.

Portanto, existem grandes oportunidades para esta fonte abundante nos canaviais brasileiros. Temos de lembrar sempre que, no conjunto de energias renováveis, alternativas, sustentáveis e complementares à hidreletricidade, a biomassa desempenha um papel importante e precisa ser valorizada.


*Artigo originalmente publicado no jornal O Estado de S. Paulo, em 13 de outubro de 2018.

Elizabeth Farina e Zilmar de Souza
São, respectivamente, presidente executiva e gerente de bioeletricidade da Unica
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
23/10/19 - Biosul discute com o governo do MS legislação fiscal do estado
  - RB065862 pode ser a primeira variedade de cana selecionada no MS
  - BNDES aprova financiamento de R$1,26 bi para complexo eólico da Engie na Bahia
22/10/19 - Estados do Nordeste querem taxa sobre energia do sol e do vento
  - Alcoeste vai até dezembro e moerá cana mais cedo em 20/21, com mais 10% para só etanol
  - Galp eleva plano de investimentos e busca mais negócios em renováveis e gás
21/10/19 - BDMG capta 100 mi euros com banco europeu para financiar projetos de energia limpa
  - O futuro das energias renováveis no Brasil
  - Sucroenergéticas aliam tecnologia e sustentabilidade para garantir melhores resultados no setor
  - Biomassa da cana vende mais energia que a fotovoltaica no A-6
14/10/19 - Bioeletricidade gera 2,5 vezes mais que carvão mineral, mas acumulado cai em relação a 2018
10/10/19 - Bioeletricidade gera 2,5 vezes mais que carvão mineral, mas acumulado cai em relação a 2018
13/08/19 - Biomassa da cana representa 62% de toda a cogeração feita no País
09/08/19 - Com etanol e açúcar dando prejuízo, cogeração salva as usinas em 2018/19
21/06/19 - CTC celebra 50 anos de pioneirismo na pesquisa da cana-de-açúcar
27/05/19 - A bioletricidade e os leilões de energia
02/05/19 - Bioeletricidade na Região de Ribeirão Preto: potencial para suprir 1/2 das residências em SP
17/04/19 - Expansão da bioeletricidade pode reduzir emissões
27/03/19 - São Paulo: 44% da bioeletricidade em 2018
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
A biomassa de cana quebra paradigmas
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário: