Sexta-feira, 19 de outubro de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Economia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Banco Mundial corta previsão do PIB brasileiro para 1,2% em 2018  

05/10/2018 - A desaceleração da economia brasileira, que contribui com mais de um terço do PIB (Produto Interno Bruto) da América Latina e do Caribe, é um dos entraves para o crescimento da região em 2018, aponta o Banco Mundial em relatório divulgado nesta sexta-feira (4).

A instituição reduziu suas expectativas para o PIB do Brasil de 2,4% neste ano para 1,2% e de 2,5% em 2019 para 2,2%. No acumulado em 2018, a economia brasileira avançou 1,1%, segundo o IBGE.

Em relatório, o Banco Mundial ressalta que o Banco Central brasileiro cortou sua estimativa de crescimento em 2018 para 1,6%, ante 2,6%, após um movimento de caminhoneiros paralisar grandes setores da economia do país.

"A persistência de grandes e aparentemente intratáveis déficits fiscais, a falta de uma reforma previdenciária significativa e a crescente incerteza política sobre as eleições de outubro, em conjunto com a recente apreensão no mercado internacional, colocaram em questão mesmo esse crescimento modesto", diz o documento.

Em setembro, a autoridade monetária brasileira promoveu novo corte na projeção do PIB no ano, para 1,4%.

Além do ritmo econômico fraco no Brasil, a piora generalizada no cenário global, a crise macroeconômica na Argentina e a contínua deterioração da situação na Venezuela fecham o quadro que levou à redução da expectativa de crescimento do bloco América Latina-Caribe para 0,6% em 2018 e 1,6% em 2019 —em abril, as previsões eram de 1,8% e 2,3%, respectivamente.

O desempenho da região é pressionado pela América do Sul, onde é esperada uma contração de 0,1% neste ano e um crescimento de 1,2% em 2019 —sem a Venezuela, a instituição diz que poderia haver avanço de 1,2% e 1,9%.

No relatório anterior, o Banco Mundial projetava crescimento de 1,5% e 2,1% para a América do Sul.

O documento observa que, após uma desaceleração de seis anos, a América Latina e o Caribe haviam crescido 1,1% em 2017 e esperava-se, até abril deste ano, um avanço a taxas ainda mais elevadas nos anos subsequentes. "Infelizmente, nos últimos seis meses, a região encontrou alguns solavancos na estrada", disse o Banco Mundial no relatório.

A previsão do PIB argentino —país que precisou recorrer ao FMI (Fundo Monetário Internacional) em meio a uma crise fiscal e cambial—, por exemplo, foi revista de um crescimento de 2,7% para uma retração de 2,5% neste ano e de uma alta de 2,8% em 2019 para queda de 1,6%.

Em contraste às expectativas para a América do Sul, a porção central do continente e o Caribe devem seguir se expandindo em ritmo saudável, de 2,8 e 3,7%, respectivamente, em 2018. Para o ano seguinte, as estimativas são de avanços de 3,2% e 3,5%.

Segundo o Banco Mundial, o México deverá crescer 2,3% em 2018 (contra 2% no ano anterior) e em 2019, num ritmo estável, ainda que abaixo do potencial.

Apesar do crescimento projetado de 1,6% para a região em 2019, o documento ressalta que a situação global ainda parece preocupante, com considerável incerteza política no Brasil, um provável aprofundamento da recessão na Argentina, dúvidas sobre a sustentabilidade de algumas reformas
México e guerras comerciais "em erupção com frequência alarmante".

Fatores externos que continuam relativamente favoráveis à América Latina e ao Caribe incluem o crescimento robusto nos Estados Unidos, o ainda forte crescimento da China, apesar da desaceleração, e a recuperação no preço das commodities.

"A nuvem escura no horizonte é claramente a normalização da política monetária nos Estados Unidos que, aumentando as taxas de juros, contribuiu para uma drástica reversão do fluxo de entrada de capital na região, um fortalecimento do dólar e uma queda na maioria das principais moedas dos mercados emergentes", diz o relatório.

Segundo o Banco Mundial, a entrada de capital líquido na região, medida pelo acumulado em 12 meses, atingiu um pico de US$ 49,6 bilhões (R$ 193,4 bilhões) em janeiro deste ano, mas despencou para US$ 18,8 bilhões (R$ 73,3 bilhões) em agosto.


Endividamento

Para agravar os problemas, diz o documento, a fraca situação fiscal da área quase não melhorou no ano passado, com 29 dos 32 países projetados para mostrar um saldo orçamentário global negativo em 2018.

Como resultado, a dívida pública externa ultrapassou 60% do PIB para a região como um todo, com seis países com índices de endividamento acima de 80%, completa o documento.

Os altos níveis de endividamento enfraquecem as notas de crédito dos países perante agências de classificação de risco e tornam o acesso e o custo do crédito internacional mais desafiadores.

"O aumento da dívida também reduz o espaço fiscal e restringe severamente a possibilidade de usar a política fiscal como uma ferramenta contracíclica justamente num momento em que muitos bancos centrais da região sentem a necessidade de elevar as taxas para defender a moeda nacional ou, pelo menos, garantir uma ´depreciação ordenada´", aponta o relatório.

Para o Banco Mundial, a recuperação frágil da região destaca a necessidade de aumentar esforços em construir resiliência e gerenciar riscos.

"Agora que a região está crescendo novamente, é hora de se preparar melhor contra riscos e construir resiliência a choques, para que os países não percam em um dia o que levaram anos para conquistar", disse Jorge Familiar, vice-presidente do Banco Mundial para a América Latina e o Caribe.

"Não temos como escapar do fato de que nós vivemos em um mundo com muitos riscos, mas a boa notícia é que agora nós entendemos melhor esses riscos e temos ferramentas para controlá-los com mais sucesso do que no passado", completa.

Anaïs Fernandes
Fonte: Folha de S. Paulo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
18/10/18 - Governo anuncia medidas para desburocratizar comércio agrícola internacional
  - Bovespa recua com fraqueza em NY e antes de nova pesquisa eleitoral
  - Taxas futuras de juros têm alta moderada antes de leilões do Tesouro
  - Milho/USDA: EUA vendem 382,5 mil toneladas da safra 2018/19 na semana
  - Petrobras mantém preço médio da gasolina nas refinarias em R$ 2,1490 nesta sexta
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Banco Mundial corta previsão do PIB brasileiro para 1,2% em 2018
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário UDOP de Inovação
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/