Sábado, 21 de julho de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Economia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Milho: Com pressão da colheita e impasse do frete, preços recuam e negócios seguem lentos no Brasil  

05/07/2018 - A quarta-feira (4) foi de estabilidade aos preços do milho praticados no mercado doméstico. De acordo com levantamento da equipe do Notícias Agrícolas, em Campo Grande (MS), a saca do cereal subiu 1,96% e encerrou o dia a R$ 26,00. Já em Campinas (SP), o ganho ficou em 0,27%, com a saca a R$ 37,10. Na demais praças pesquisadas, os preços permaneceram inalterados.

Segundo destacam os analistas de mercado, as cotações do cereal estão pressionadas negativamente em meio ao avanço da colheita da safrinha. No maior estado produtor, o Mato Grosso, cerca de 21,28% da área plantada nesta temporada já havia sido colhida até a última sexta-feira (29), conforme dados do Imea (Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária).

Já no Paraná, a colheita já está completa em 2% da área cultivada nesta temporada. A informação é do Deral (Departamento de Economia Rural). 29% das lavouras apresentam boas condições, 49% apresentam condições medianas e 22% estão em condições ruins.

Além do avanço da colheita, "os negócios estão devagar, quase parando, em função da indefinição com relação ao tabelamento do frete rodoviário", destacou a Scot Consultoria. Nas principais regiões, apenas o frete curto está sendo realizado, com a referência da nova tabela da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres).

Ainda nesta quarta-feira, a Comissão Especial aprovou a Medida Provisória 832 que estabelece o preço mínimo para o frete rodoviário. A MP deverá ser votada agora na Câmara dos Deputados.

O cenário também tem gerado preocupações quanto à armazenagem do produto, especialmente em Mato Grosso. Em Nova Mutum (MT), muitos produtores investiram em silos-bolsa nesta safra, mas que não serão suficientes para a armazenagem de todo o milho. E muitos armazéns ainda possuem soja, já negociada, que precisa ser escoada. Sem o acerto dos valores dos fretes, muitas empresas ainda não retiraram a oleaginosa dos silos.

"Hoje, o frete consome metade do preço do nosso milho. Estamos conseguindo escoar para o mercado interno, com negócios balizados pela nova tabela da ANTT. Entretanto, temos um grande prejuízo no mercado externo, já que os fretes inviabilizam o escoamento dos produtos até os portos", reforça o presidente do Sindicato Rural do município, Emerson Zancanaro.

Paralelamente, a perspectiva é que o quadro também afete as exportações brasileiras, estimadas em 28 milhões de toneladas pela Anec (Associação Nacional dos Exportadores de Cereais).

"Há 40 dias que não se precifica nada de milho no mercado interno. Ou seja, não há aquisições junto aos produtores em função das incertezas com os fretes... Se isso demorar a ser resolvido, ficaremos com uma janela muito curta para exportar, e as vendas ficarão para o ano que vem", disse o assistente executivo da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais, Lucas Trindade, em entrevista à Reuters.


Bolsa de Chicago

Em meio ao feriado do Dia da Independência, comemorado nos EUA nesta quarta-feira não houve negócios na Bolsa de Chicago (CBOT). Os contratos voltam a operar nesta quinta-feira.

04/05/18
Fernanda Custódio

Fonte: Notícias Agrícolas
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
20/07/18 - Dólar despenca e tem maior queda semanal em 5 meses, abaixo de R$3,80
  - Agronegócio é o setor mais impactado pelo tabelamento de fretes, diz Cepea
  - Comercialização da safra de soja na Argentina atinge 72% da produção estimada
  - Ibovespa sobe numa reação positiva à aliança do Centrão com Alckmin
  - Projeções de Longo Prazo Continuam Favoráveis ao Agro Brasileiro
  - Colheita de milho no centro-sul do Brasil avança para 36% da área, diz AgRural
  - Processamento de soja cresce 15% nos EUA
  - Milho: Mercado inicia pregão desta 6ª feira em alta e estende ganhos dos últimos dias na CBOT
  - Clima irregular afeta safra de verão no Paraná
  - GSA pede o fim de subsídios ao açúcar na Índia e no Paquistão
  - Imea revisa projeção da safra de milho no MT
19/07/18 - USDA diz que registro de vendas de milho e trigo dos EUA à Argentina está incorreto
  - Commodities podem ter retomada mais consistente no último trimestre de 2018
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Milho: Com pressão da colheita e impasse do frete, preços recuam e negócios seguem lentos no Brasil
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/