Terça-feira, 16 de outubro de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Combustíveis Fósseis Aumentar a letra    Diminuir a letra
`Reajustes periódicos podem ser uma boa solução´, diz ex-presidente da EPE  

08/06/2018 - Maurício Tolmasquim, ex-presidente da Empresa de Pesquisa Energética, classifica a solução como ´boa, dentro do possível´. Confira a entrevista abaixo:

O que o sr. achou de a ANP liderar o processo de mudança na política de preços dos combustíveis?
O governo tinha alternativas. Uma era debater o assunto no conselho de administração da Petrobrás, como acionista controlador; outra era discutir a nível ministerial; e outra era atribuir à agência reguladora esse papel. Qualquer uma dessas soluções tem prós e contras, mas com isso ele afastou o custo político da decisão. O melhor seria que fosse no nível do CNPE (Conselho Nacional de Política Energética) ou do MME (Ministério de Minas e Energia), mas foi uma solução boa dentro do possível.

A proximidade das eleições pode ter influenciado a decisão?
A eleição aumenta esse problema. Mas o fato de o governo ter uma popularidade muito baixa pode sim ter levado a isso, mas foi a solução possível.

Como, na sua avaliação, deveriam ser esses ajustes?
A política de ajustes diários se mostrou muito problemática, levou a uma situação insustentável, no limite da convulsão social. A variação diária cria imprevisibilidade e isso é péssimo para os agentes econômicos que dependem do insumo (combustíveis). A alternativa seria criar um colchão para reduzir a volatilidade, como era a Cide, mas hoje não dá para fazer, ou um fundo, como alguns países fazem, mas quando o petróleo está alto não vale a pena. Acho que os reajustes periódicos podem ser uma boa solução, que minimiza essa variabilidade.

Mas por que a variação diária não deu certo no Brasil?
O mercado do petróleo é muito especulativo. Para dar um exemplo, no início da semana passada, por causa de uma reunião entre ministros da Arábia Saudita e da Rússia sobre aumento de produção, decisão que será tomada no dia 29, o petróleo subiu US$ 5. Depois, o petróleo subiu e caiu. Isso cria uma variabilidade muito grande. Quanto maior o prazo, mais você elimina componentes estruturais.

Para a Petrobrás, prazos longos não seriam negativos?
Por um período muito grande tem ônus para a Petrobrás, porque, como as importações aumentaram, os importadores podem ganhar mercado. Tem de achar o meio termo. Tem de ser no mínimo mensal e, no máximo, trimestral. Mas o principal é ter claro o critério do ajuste, que ajuda na previsibilidade. Pode se fazer a projeção da média do derivado internacional e do dólar para adoção no mês seguinte.

07/06/18
Denise Luna

Fonte: O Estado de S. Paulo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
16/10/18 - Chanceler brasileiro reitera importância de negociações UE-Mercosul
  - Soja: Comercialização da safra 2017/18 no MS atinge 90% da produção
  - Reajuste terá efeito médio de 7,31% sobre as tarifas da CEB
  - Aneel aprova reajuste médio de 16,12% nas tarifas da EDP-SP
  - Dólar volta ao nível R$ 3,69 com ingresso de fluxo após Ibope e queda lá fora
  - Gasolina sobe em 22 Estados, diz ANP; valor médio avança 0,47% no País
  - Shell: ponto de equilíbrio dos projetos deve ser inferior a US$ 30 por barril
  - Disputa eleitoral não sugere ameaças ao setor de óleo e gás, diz diretor-geral da ANP
  - Chineses terão 20% de refinaria do Comperj, diz Petrobras
  - Petróleo opera em queda com possível aumento da oferta de grandes produtores
15/10/18 - Valor da gasolina cai nas refinarias, mas sobe nas bombas
  - Preços de importados nos EUA sobem 0,5% em setembro com alta de combustível
  - Petroleira espanhola Cepsa adia IPO por incertezas nos mercados
05/10/18 - ANP prorroga consultas públicas que visam atrair investimentos para combustíveis
  - Temer veta obrigação de distribuidoras revelarem política de preços de combustíveis
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
`Reajustes periódicos podem ser uma boa solução´, diz ex-presidente da EPE
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário UDOP de Inovação
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/