Sexta-feira, 17 de agosto de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Economia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Agricultura teve o Plano Safra possível, mas produtor quer mais recurso para seguro rural  

07/06/2018 - Diante de tanta falta de recursos nos cofres federais, a agropecuária recebeu do governo, nesta quarta-feira (6), o Plano Safra que foi possível.

Os agricultores perderam no volume total, que nem acompanhou a taxa de inflação, mas conseguiram uma redução das taxas de juros de até dois pontos percentuais em alguns dos programas de apoio federal à agropecuária.

A taxa de juros ficou, em média, em 7%.

O volume total de crédito foi de R$ 191,1 bilhões. Destes, R$ 151,1 bilhões são de créditos destinados ao custeio e R$ 40 bilhões para investimentos.

Do montante de crédito de custeio, R$ 118,8 bilhões são com juros controlados e R$ 32,3 bilhões com juros de mercado.

O governo reservou ainda para a próxima safra R$ 2,6 bilhões para apoio à comercialização e R$ 600 milhões para seguro rural. No total, o volume de recursos para a agropecuária soma R$ 194,3 bilhões, valor que estará disponível a partir do início de julho.

A taxa de juros para o pequeno e médio produtores recuou para 6%. Para os demais, fica em 7%. A maior taxa, a de investimentos no Moderfrota, fica entre 7,5% e 9,5%. A menor, que contempla a construção de armazéns de até 6.000 toneladas, é de 5,25%.

Antonio Galvan, presidente da Aprosoja-MT (Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Groso), diz que não concorda com os juros acima da Selic.

Ele destaca, no entanto, que a taxa de 5,25% para pequenos e médios produtores construírem armazéns nas fazendas é importante.

Evita o transporte de toda a produção no período de chuvas, quando as estradas estão ruins, ou no pico de safra.

O governo inicia uma experiência neste ano na oferta de crédito. Os produtores poderão optar por uma taxa fixa de juros ou por uma taxa pós-fixada. O volume de crédito na taxa pós deverá atingir o máximo de 5%.

Para o consultor Ivan Wedekin, o produtor deveria se manter na taxa fixa. O país ainda não tem uma tradição de estabilidade e a taxa fixa permite um controle maior de gastos e receitas.

Olhando o pacote do Plano Safra como um todo, Wedekin diz que ele é favorável à agropecuária.

A redução de juros mantém a competitividade do produtor brasileiro e permite uma ampliação das áreas de plantio, principalmente o de soja.

O Plano de Safra avança também no apoio à utilização de tecnologia no campo, inclusive no setor pecuário, segundo Wedekin.

Parte dos produtores entendem, no entanto, que um dos programas que deveriam ser melhorados pelo governo é o de seguro rural.

A participação privada vem crescendo, principalmente devido à pouca disponibilidade de recursos do governo, mas o país ainda não criou condições para um crescimento da chamada indústria de seguros.

Um grupo convocado pelo próprio governo para avaliar as condições do setor chegou à conclusão de que o país necessita de pelo menos R$ 1,2 bilhão no setor de seguros.

Em 2017, o total de prêmios pagos pelos produtores chegou a R$ 1,8 bilhão.

*Texto extraído da coluna Vaivém das Commodities.

Mauro Zafalon
Fonte: Folha de S. Paulo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
16/08/18 - Setor produtivo solicita novos ajustes no Plano Safra
  - Ibovespa avança com melhora externa; Eletrobras sobe 7%
  - Previsão de déficit primário do governo central cai para R$ 148,171 bi
  - Preço da gasolina atinge o maior nível em quase um mês
  - Dólar cai com sinais de negociações entre EUA e China e alívio com Turquia
  - Efeitos da ferrugem asiática na soja
  - USDA: 96% das lavouras de soja nos EUA alcançam o estágio de floração
  - Milho de segunda safra é prejudicado pelo clima e gera resultados variados
  - Tempo: Chuvas ficam por pouco tempo sobre Brasil central e tendência mais seca retorna já nesta 6ª
  feira
  - Soja sobe quase 3% em Chicago impulsionada por retomada de negociações entre China e EUA
  - USDA anuncia novas vendas de soja para o México e trigo para o Iraque
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Agricultura teve o Plano Safra possível, mas produtor quer mais recurso para seguro rural
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/