Terça-feira, 16 de julho de 2019
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Fórum de Articulistas Aumentar a letra    Diminuir a letra
O predomínio da produção de bioeletricidade da cana no período seco  

08/03/2018 - A geração de bioeletricidade para a rede ocorre predominantemente no período seco do ano e na Região Centro-Sul do país. Isto ocorre porque a geração de bioeletricidade acompanha, sobretudo, o perfil da produção da safra canavieira, quando ocorre a maior disponibilidade de biomassa para a geração de energia elétrica. A Região Centro-Sul, formada por 10 Estados da Federação, costuma processar mais de 90% da cana no Brasil, com a safra concentrada normalmente entre os meses de abril e novembro.

Na safra 2016/17, da moagem total de 651,8 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, 607,1 milhões de toneladas (93%) vieram da Região Centro-Sul, moagem liderada pelo Estado de São Paulo, responsável sozinho por 366 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, ou 60% da moagem da Região Centro-Sul.

Do total da moagem na Região Centro-Sul, 96% foram processados no período entre abril e novembro na safra 2016/17. Este período é quase coincidente com a definição de período seco e úmido para o setor elétrico brasileiro: período úmido compreende os meses de dezembro de um ano a abril do ano seguinte e o período seco entre o meses de maio a novembro de cada ano. A definição período seco e úmido é por conta das condições hidrológicas ao longo do ano, que impactam fortemente numa matriz elétrica com predomínio da geração hídrica, como é o caso brasileiro.

Em 2006, a fonte hídrica representava 73% da capacidade instalada na matriz elétrica brasileira. Atualmente, mesmo com a diminuição de sua participação relativa, a fonte hídrica ainda representa 66% da potência outorgada pela ANEEL na matriz elétrica do Brasil. Ou seja, ainda somos dependentes da geração hidrelétrica, das condições hidrológicas de cada ano e do nível dos reservatórios das hidrelétricas. Cada ano, um "susto" é sempre possível acontecer.

Em maio do ano passado, a energia armazenada nos reservatórios do submercado elétrico Sudeste/Centro-Oeste era de 41,81% de sua capacidade e, ao longo do período seco, os reservatórios foram sendo esvaziados chegando a 18,78% de sua capacidade em novembro de 2017. A energia armazenada é a energia potencialmente disponível nos reservatórios das hidrelétricas, cujo cálculo considera o volume de água armazenado e a capacidade de geração da usina.

Desta forma, justamente no período seco e crítico do setor elétrico, a bioeletricidade sucroenergética costuma entregar mais de 80% de sua geração anual para o Sistema Interligado Nacional (SIN), demonstrando sua posição estratégica para a segurança do suprimento de energia para o país.

Em 2017, dos 21.444 GWh ofertados para o SIN pela bioeletricidade canavieira, 17.965 GWh (84%) foram produzidos entre maio e novembro. Se somarmos o mês de abril, início da safra na Região Centro-Sul, 91% do total de produção de bioeletricidade da cana para o SIN ocorreram entre abril e novembro no ano passado.

Além do mais, a bioeletricidade não é considerada fonte intermitente, no estrito senso do conceito de recurso energético. Pela sua maior previsibilidade e confiabilidade, é considerada uma fonte sazonal, assim como é a hidrelétrica, mas não intermitente. Essas características e sua disponibilidade no período seco do SIN fizeram com que o total de volume de energia fornecido à rede pela biomassa da cana, em 2017, tenha sido equivalente a economizar 15% da água dos reservatórios hidrelétricos do principal submercado do setor elétrico, conforme dados obtidos do ONS e da CCEE, o Sudeste/Centro-Oeste, que no ano passado respondeu por 58,3% do consumo de eletricidade no País.

Em 01.12.2017, foi publicada a Portaria MME 465 trazendo as diretrizes para a realização do Leilão A-4/2018, a ocorrer em 4 de abril próximo. O início do suprimento de energia elétrica ocorrerá a partir de 2022. Em 08.02.2018, também foi publicada a Portaria MME 44 estabelecendo as diretrizes gerais para a realização do Leilão A-6/2018, para atendimento ao mercado das distribuidoras a partir de 2024. O Leilão deverá ser realizado no segundo quadrimestre de 2018.

Em 2017, a bioeletricidade sucroenergética conseguiu comercializar apenas seis projetos nos leilões regulados. É necessário reconhecer a importância da contratação da bioeletricidade nos leilões para o país e os benefícios desta fonte para o sistema elétrico, como os expostos neste artigo. Torcemos para que os leilões de 2018 possam representar o início de um círculo virtuoso de investimento em bioeletricidade, de forma mais robusta e duradora, e que a biomassa possa continuar representando gigantescos "reservatórios virtuais" para as hidrelétricas no Brasil.

Zilmar José de Souza
Gerente de Bioeletricidade da União da Indústria de Cana-de-Açúcar - Unica
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
15/07/19 - ATR PR: valor projetado sobe 0,31% em junho
  - ATR SP: valor acumulado cai 1,97% em junho
  - Embrapa vai desenvolver novas variedades de cana-de-açúcar
  - Mato Grosso do Sul já processou 18,5 milhões de toneladas de cana na safra 2019/2020
  - El Niño chega ao fim e próximo período chuvoso será diferente no Brasil
  - Frio intenso e geada causam estragos na produção rural de pelo menos três estados
  - Nova frente fria sobe pelo Sul do País; centro-oeste continua com tempo muito seco
12/07/19 - Safra 2019/2020: moagem da cana-de-açúcar em MS atinge 18,5 milhões de toneladas
11/07/19 - Safra de grãos deve fechar o ano com alta de 4,2%, segundo IBGE
10/07/19 - Geada afeta canaviais na região de Ribeirão Preto, mas reflexos só devem ser percebidos em dez dias
27/05/19 - A bioletricidade e os leilões de energia
02/05/19 - Bioeletricidade na Região de Ribeirão Preto: potencial para suprir 1/2 das residências em SP
17/04/19 - Expansão da bioeletricidade pode reduzir emissões
27/03/19 - São Paulo: 44% da bioeletricidade em 2018
21/03/19 - SIAMIG apresenta projeto para expansão de bioeletricidade em torno de R$ 1,6 bilhão
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
O predomínio da produção de bioeletricidade da cana no período seco
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Fórum de Implementação Tecnológica
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário UDOP de Inovação
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados

POLÍTICAS DE PRIVACIDADE
Desenvolvimento:
/