Terça-feira, 23 de janeiro de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Fórum de Articulistas Aumentar a letra    Diminuir a letra
O setor de biocombustíveis do Brasil em 2017  

05/12/2017 - No intuito de promover uma retomada do crescimento do setor de biocombustíveis no Brasil, diversas medidas vêm sendo adotadas pelo Governo Federal com vistas a aumentar a confiança e a previsibilidade no setor, o que resultará em um ambiente favorável aos investimentos nos próximos anos.

Dentre as diversas iniciativas, destaca-se em 2017 o Programa RenovaBio. Capitaneado pelo Ministério de Minas e Energia (MME) e tendo em seu núcleo coordenador a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o RenovaBio é uma política de Estado que objetiva reconhecer o papel estratégico dos biocombustíveis na matriz energética brasileira, tanto para a segurança energética, quanto para a mitigação de redução de emissões de gases causadores do efeito estufa. A nova Política Nacional de Biocombustíveis foi aprovada na Câmara dos Deputados em 28/11/17 (PL 9.086/2017) e enviada ao Senado Federal em 30/11/17.

No setor sucroalcooleiro, para esta safra, o mix de produção deverá ser mais direcionado à produção de etanol, em virtude dos baixos preços do açúcar no mercado internacional. Com a perda de produtividade decorrente do clima mais seco e do aumento da idade média do canavial, é esperada uma redução de cerca de 5% na quantidade de cana-de-açúcar moída. A cana segue como a principal matéria-prima utilizada na produção de etanol. Entretanto, o etanol de milho tem se tornado cada vez mais relevante para o País, crescendo mais do que o triplo entre 2015 e 2017: de 140 para 480 milhões de litros.

O ano de 2017 apresentou volumes importantes de importação de etanol, principalmente nas regiões Norte e Nordeste. Em 01/09/17, a Portaria SECEX nº 32, estabeleceu os critérios para alocação de cota para importação de etanol isenta de imposto de importação, determinada pela Resolução CAMEX n0 72, de 31/08/17. A decisão de isenção do imposto de importação para o etanol é limitada a cota de 1,2 bilhão de litros, por um período de 24 meses. Também ficou estabelecido que a importação com tarifa zero não pode ultrapassar o volume de 150 milhões de litros por trimestre.

Avanços importantes também ocorreram no setor de biodiesel. O percentual obrigatório de 10% de adição de biodiesel ao diesel passará a vigorar a partir de 1º de março de 2018. Esta decisão foi tomada durante reunião extraordinária do CNPE, realizada em 9/11/17. O B10 fará sua estréia oficial no Leilão 59, que acontecerá em fevereiro de 2018.

Em relação a bioeletricidade, verificou-se um crescimento de 9% na geração das usinas térmicas entre janeiro e setembro deste ano, em comparação com 2016. A capacidade instalada das plantas à biomassa do Sistema Interligado Nacional (SIN) também evoluiu, chegando a 13 GW ao final de setembro. O bagaço de cana foi o combustível mais utilizado na geração das usinas movidas a biomassa, com 85% do total.

Merece destaque ainda a crescente participação do biogás na matriz energética nacional, resultado dos avanços legais ocorridos nos últimos anos, sobretudo os relacionados à geração distribuída. A Resolução nº 685 da ANP, de junho de 2017, estabeleceu especificações para o biometano oriundo de aterros sanitários e estações de tratamento de esgoto, regulamentando seu uso como combustível veicular. Em setembro, o despacho n° 1084 da ANP, pela primeira vez, permitiu a comercialização do biometano oriundo desta fonte.

Por fim, os objetivos do RenovaBio também convergem com os objetivos de redução de emissões estabelecidos pela Organização da Aviação Civil Internacional para as empresas aéreas. Atualmente, o bioquerosene para aviação (BioQAV) pode representar até 10% na mistura de combustíveis para abastecimento de aviões. O limite está previsto em homologações realizadas pela ASTM e também pela ANP. No Brasil, o BioQAV poderá vir a ser obtido, principalmente, através da cana ou da macaúba, sendo esta última uma fonte de grande potencial.

Assim, o ano de 2017 apresentou grandes avanços para o setor de biocombustíveis do País. Muitos desses frutos serão colhidos nos próximos anos, atraindo investimentos, crescimento econômico e geração de emprego e renda. O Brasil precisa e merece!


*Artigo originalmente publicado no Jornal Folha de Pernambuco.

José Mauro Ferreira Coelho
Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Empresa de Pesquisa Energética (EPE)
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
22/01/18 - ATR SP: preços do acumulado e mensal tiveram alta em dezembro
  - Etanol: anidro e hidratado fecham a semana com pequena alta no índice Cepea/Esalq
  - Gasolina, etanol e diesel no Brasil atingem novas máximas nos postos, diz ANP
  - Vantagem do álcool em relação à gasolina pode superar 70%
  - ANP: Etanol segue vantajoso ante a gasolina só em Mato Grosso e Goiás
  - ANP: Etanol sobe em 23 estados e no Distrito Federal esta semana
  - Programa RenovaBio deve sair do papel em 2020
  - Açúcar: Nova York deve tentar manter movimento de recuperação
  - RenovaBio vai trazer benefícios para a cidade
  - Depois de uma semana em queda livre, açúcar volta a subir nas bolsas internacionais
  - Desconstruindo o mercado de açúcar
19/01/18 - Afetada por chuvas e geada, safra de cana 17/18 em MS deve ser no mesmo patamar da anterior, diz
  Biosul
18/01/18 - Produtor reage à isenção do etanol americano
16/01/18 - Superavit de US$ 81,86 bilhões do agronegócio foi o segundo maior da história
  - Em relatório especial, INTL FCStone analisa mercado de commodities em 2018
15/01/18 - Um avanço (atraso) para os biocombustíveis
10/01/18 - JBS: produção de biodiesel em 2017 foi de 210 milhões de litros
09/01/18 - Lei do Bem: um caminho para ganhar eficiência e potencializar os benefícios do RenovaBio
08/01/18 - Vereador quer proibir circulação de veículos a diesel em São Paulo
  - EUA oficializam tarifa sobre biodiesel da Argentina
  - Setor sucroenergético é destaque nas exportações mineiras com 16,5% de participação no agronegócio
05/01/18 - Aprobio projeta produção recorde de biodiesel no ano
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
O setor de biocombustíveis do Brasil em 2017
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/